Siga:

3/12/201512:07:13

Variação chega a 8,22% em novembro


Qualidade e volume ofertado foram prejudicados pela sazonalidade, alta do dólar e excesso de chuvas nas regiões produtoras do Sul e Sudeste

- Descrição do Índice

Além dos problemas climáticos e sazonais, o dólar mais elevado provocou retração no volume ofertado das frutas. Em novembro, esse setor subiu 7,13%. As principais altas foram do abacate (47,6%), atemoia (39,4%), caju (33,7%), abacaxi havaí (26,9%) e banana nanica (17,1%). As principais quedas foram do figo (-39,7%) e da goiaba (-6,1%).

O segmento de legumes registrou aumento de 6,86%. As principais altas foram do cará (70,2%), inhame (47,1%), tomate (40,7%), beterraba (28,7%) e pimentão verde (21,3%). As principais quedas ficaram por conta da berinjela (-36,5%), chuchu (-27,7%), abóbora seca (-17,3%) e quiabo (-12,7%).

As verduras subiram 25,12%. As principais altas foram da couve-flor (67,5%), repolho (58,8%), escarola (53,7%), salsa (50,4%), coentro (45,8%) e brócolis (35,9%). Não houve reduções significativas no setor.

O setor de diversos aumentou 21,83%. As principais altas foram da cebola nacional (76,2%), batata lisa (56,3%), batata comum (46,2%), coco seco (21,1%) e ovos brancos (5,5%). Não houve reduções significativas no setor.

O setor de pescados registrou alta de 2,32%. As principais elevações foram do camarão ferro (25,55), tilápia (14,6%) e betarra (6,6%). As principais quedas foram registradas pelo robalo (-12,1%), polvo (-7,4%), lula (-4,4%) e anchovas (-4,1%).

- Tendência do Índice

Aumentos expressivos de preços nos setores de verduras e em produtos com grande representatividade, como cebola, batata e tomate, impulsionaram elevação do indicador. No ano, o Índice de Preços CEAGESP registrou alta de 15,03% e, nos últimos 12 meses, os valores alcançaram o percentual de 8,99%.

A qualidade e o volume ofertado das hortaliças foram prejudicados pelas altas temperaturas e, principalmente, pelo excesso de chuvas nas regiões produtoras do Sudeste.

“A temporada de chuvas e altas temperaturas começaram mais cedo este ano e os problemas climáticos, típicos do período de verão e tão prejudiciais à produção de hortifrutícolas, também foram antecipados”, destaca o economista da CEAGESP, Flávio Godas.

A antecipação do período de chuvas prejudicou a qualidade e acarretou retração do volume ofertado na maioria dos setores. Com a chegada do verão, esse cenário não deverá sofrer grandes alterações. Assim, até março a tendência é de preços elevados.

Em dezembro, o setor de frutas ainda deve sofrer aumento acentuado da demanda. Mesmo com a maior oferta, já que o produtor se prepara para colocar o produto nesse período de maior consumo, os preços deverão permanecer em patamares elevados, impulsionados pela alta do dólar e a consequente elevação dos valores dos importados, que representam cerca de 20% desse segmento.


Novembro - 2015

CategoriaÍndice %
Geral8,22
Frutas7,13
Legumes6,86
Verduras25,12
Diversos*21,83
Pescados2,32




Enviar para um amigo

Mensagem enviada com sucesso!

Seu Nome:
E-mail do Amigo:

Comunicar um erro

Mensagem enviada com sucesso!

Seu E-mail:
Comunique o erro:
Versão para impressão Enviar para um amigo Comunicar um erro

Outros Índices de 2019:

Veja também: