Siga:

8/11/201611:02:00

Índice CEAGESP sobe 2,73% em outubro


- Descrição do Índice

O setor de frutas subiu 4,41% em outubro. As principais altas foram do kiwi estrangeiro (68,1%), carambola (57,2%), figo (31,4%), mamão formosa (27%), limão taiti (26,7%) e maracujá azedo (22,8%). As principais quedas foram do mamão papaya (-31,7%), melão amarelo (-20,4%), acerola (-18,3%), abacaxi havai (-16,5%) e melancia (-16%).

O setor de legumes recuou 5,52%. As principais baixas foram do tomate cereja (-42,6%), vagem (-37%), abobrinha brasileira (-30,7%), pepino japonês (-28,7%), chuchu (-26,9%) e pepino caipira (-23,7%). As principais altas foram da mandioquinha (48,7%), abóbora japonesa (35,2%), inhame (26,3%), cará (24,7%) e pimentão amarelo (24,4%).

O setor de verduras caiu 0,68%. As principais quedas foram da chicória (-21,1%), almeirão pão de açúcar (-18,7%), almeirão (-15%), alho porró (-13,4%), nabo (-10,7%) e rabanete (-10,6%). As principais altas foram da couve-flor (26,2%), brócolis ninja (20,7%), salsa (12,7%), e orégano (11,8%).

O setor de diversos subiu 5,09%. As principais altas foram batata lisa (35,8%), batata comum (21,7%), milho pipoca (7,9%) e amendoim (6,8%). As principais quedas foram dos ovos brancos (-5%) e ovos vermelhos (-3,9%).

O setor de pescados subiu 3,60%. As principais altas foram da pescada goete (31,8%), anchovas (33,7%), abrótea (31,5%), tainha (18,6%) e cavalinha (14,1%). As principais quedas foram do atum (-23,3%), lula (-14,3%), cação (-7,1%) e curimbatá (-4,4%).

- Tendência do Índice

Os preços dos cerca de 150 produtos acompanhados pelo Índice CEAGESP aumentaram 2,73% em outubro. Foi a primeira elevação após seis quedas consecutivas do indicador. O excesso de chuvas em algumas regiões produtoras associado a elevação das temperaturas prejudicaram o volume ofertado e a qualidade de alguns produtos, notadamente no setor de frutas.

Além das chuvas acima dos patamares habituais para o período, houve queda de granizo em alguns municípios das regiões sul e sudeste, acentuando o volume de perdas. Os legumes e as verduras mantiveram a trajetória de queda dos preços praticados. O setor de verduras, inclusive, registra preços próximos ao custo de produção e não deve apresentar novas reduções.

De acordo com o economista Flávio Godas, “com o início do período de chuvas e elevação das temperaturas, a tendência é de novas majorações, principalmente a partir de dezembro, época em que o consumo costuma registrar aumento.”

O volume comercializado no entreposto de São Paulo caiu 7,23% em outubro de 2016. Foram comercializadas 268.264 toneladas ante 289.172 negociadas em outubro de 2015. No acumulado de janeiro a outubro de 2016 foram negociadas 2.629.469 toneladas ante 2.806.631 comercializadas no mesmo período de 2015. Queda de 6,31% ou 177.162 toneladas acumuladas em 2016.


Outubro - 2016

CategoriaÍndice %
Geral2,73
Frutas4,41
Legumes-5,52
Verduras-0,68
Diversos*5,09
Pescados3,60

No ano, o indicador acumula alta de 5,46% e, nos últimos 12 meses, a elevação foi de 13,42%.




Enviar para um amigo

Mensagem enviada com sucesso!

Seu Nome:
E-mail do Amigo:

Comunicar um erro

Mensagem enviada com sucesso!

Seu E-mail:
Comunique o erro:
Versão para impressão Enviar para um amigo Comunicar um erro

Outros Índices de 2019:

Veja também: